segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

um pensamento sobre a vida

Sabe, talvez medir a sua felicidade por quanto se ganha, ou por medalhas conquistadas ou por ter o carro do ano, seja um tipo de medida muito frágil. Talvez contar a quantidade de vida vivida pelo número de aniversários feitos, não seja a melhor maneira de se viver. O tempo é relativo, o dinheiro é relativo, a felicidade é tão relativa.

E aí a gente passa a vida toda apenas dormindo e acordando pra trabalhar, pra estudar, pra se formar, pra ser "alguém na vida" e acaba apenas percebendo que a vida passou quando ela já está no fim. Por que é tão importante acumular dinheiro? Ser bem sucedido é pelo quanto você tem na sua conta do banco ou pelo quanto de felicidade você gosta de fazer o que faz?


A gente passa tanto tempo dentro de um escritório, no trânsito, na frente do computador que acaba se esquecendo de como o por do sol é bonito, de como é legal andar de bike no fim do dia, de como é legal assistir um filme que a gente gosta. Não fomos criados pra sentir o gosto da vida. Fomos criados pra trabalhar. A vida é mais que isso. Às vezes me falta o básico do básico. Às vezes o desespero toma conta. Tudo que eu tenho nessas horas são lágrimas e aperto no peito. Mas eu aprendi a admirar e respeitar meus dias tristes e confusos. 


A vida é muito maior que isso. Eu sou muito maior que isso. Você é muito maior que isso. Não se cegue pra vida. Não se mecanize. Não se torne um robô. A vida é gostosa como um bolo de chocolate. Só que um dia esse bolo de chocolate

acaba.