sábado, 29 de novembro de 2014

Tentando entender você, leitor

Hoje, ao entrar no blog, eu percebi que ele acabou de passar das 26 mil visualizações. E aí eu parei um pouco pra pensar o que é que tem feito tanta gente ainda que me acompanha mesmo depois de todo mundo saber que a quimioterapia acabou, que o câncer acabou e que a vida voltou ao normal. Aí eu pensei: "ah, deve ser pela história do câncer em si", mas aí lembrei que milhares de pessoas passam todos os dias pelo que eu passei e o câncer é super comum. Todo mundo tem um amigo, um tio que teve câncer. E aí eu não consigo chegar em conclusão nenhuma pra entender por que você tá me lendo. Bom, eu só sei que quero continuar levando luz pra vida das pessoas. Continuar levando otimismo e alegria. Se esse for o motivo, fico imensamente feliz. 

domingo, 16 de novembro de 2014

Sobre a fragilidade da vida

Sabe, eu acho que eu aprendi um pouco sobre o que é viver nesse último ano. A morte sempre esteve por perto desde o meu diagnóstico de câncer. Mas, durante todo esse tempo, eu nunca passei pela experiência de quase morte. Só essa semana. E nem foi comigo mas ver quem a gente ama sofrendo, dói mais que na gente. Vovó, a pessoa que eu mais amo nesse mundo, teve um problema de cálculo biliar e isso fez com quem o canal da bile ficasse obstruído, gerando um quadro muito grave de infecção. Confesso que dessa vez a morte tava do meu lado, e por algum tempo eu pensei que ela ia levar meu bem mais precioso. E com isso eu volto naquele assunto que a gente não para pra pensar muito, que é como a nossa vida vale muito e como que a gente não percebe que ela pode acabar de uma hora pra outra. Aí a gente fica sem falar com aquele amigão por um assunto banal, fala coisas que magoam as pessoas, somos egoístas e só na hora que a gente perde a gente dá valor e quer voltar pra fazer tudo certo. Aí a gente fica se importando com problemas pequenos, só pensa em dinheiro e aí a vida vai passando e a gente nem vai percebendo. Mas a vida é tão sábia, que só dá uma vida pra gente justamente perceber que preciosidade é amar, é sentir, é viver. Olha, se eu posso dar um conselho, é esse: não espere perder pra dizer que ama, pra dar aquele abraço, pra pedir perdão nem pra perdoar. Porque viver de arrependimento por não ter feito é a pior coisa do mundo. E não, não espere a vida passar por você pra você perceber o quanto as relações são importantes, o quanto o amor é forte, quanto vale a pena viver uma vida verdadeira e pautada em felicidade. A vida só se torna bela quando nos damos conta da sua fragilidade. Vovó está viva e bem.