quarta-feira, 23 de abril de 2014

Eu me amo

Dia 30 de abril fará um ano da data da biópsia que mudou a minha vida. Hoje, pela primeira vez desde o começo do ano passado, estou calma e plena. Sem medo de ir ao inca. Me sentindo forte e com uma sensação tão gostosa que não dá pra explicar. Eu me pego em umas situações tão engraçadas e fico tentando achar o motivo delas acontecerem. Sonhei pela milésima vez essa semana que estava com os cabelos grandes, contando a todos como estava surpresa por ele ter crescido tão rápido depois do tratamento. Acho que por mais que eu tente, minha cabeça não consegue me aceitar com o cabelo curto, ou talvez seja o meu inconsciente mostrando as minhas vontades. Não sei. Vou ao inca mais uma vez. Vou ver como estão as minhas células, a minha imunidade e o meu pulmão. Sinto que estou protegida, que sou maior que tudo, que não estou doente, que sou capaz de fazer o que eu quiser. Pela primeira vez, eu reconheço a força que eu tive e que eu continuo tendo e me amedronto a olhar pra trás e ver por tudo que eu passei com tanta coragem. Hoje de manhã, enquanto corria, senti o gosto ruim na boca que eu sentia depois das quimios e me veio na hora apenas uma coisa na mente: isso é pra eu nunca esquecer a sensação de estar bem e saudável e JAMAIS reclamar de coisas banais. Eu venci um câncer e tenho vencido muitas outras batalhas. Hoje eu me olho e tenho orgulho da menina que eu me tornei. Eu me amo.