quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Projeto Ray -11kg!

Simmmmmmmmmm! O inchaço tá passando!!! Ai que alegria! Ontem, ao criar coragem para me pesar depois de uma semana intensa de reeducação alimentar e atividades físicas moderadas, criei coragem para subir na balança e para minha surpresa, já eliminei 4 kg nessa última semana! Com o tratamento, cheguei aos 73 quilos entre retenção de líquidos e gordura mesmo e agora a balança marca 69 kg! Que emoção! Saí do grau de obesidade I e voltei para o sobrepeso. O plano agora é que até o final de 2014 eu alcance meu peso ideal (e desejado) de 58kg! Pode esperar aí, hein! Agora, quando eu falo que eu vou conseguir eu consigo mesmo!

Segue abaixo um pouco do que eu tenho feito para emagrecer COM SAÚDE:


CAFÉ DA MANHÃ
Café com leite desnatado
1 porção de 100 ml (1 xícara)                      
Biscoito água e gergelim "Piraquê" (O integral da Marilan também é bacana e bem gostoso)
1 porção de 30 g (4 unidades)

LANCHE DA MANHÃ
Não faço essa refeição pois acordo tarde, mas dá pra comer uma fruta ou uma barrinha de cereal até o almoço.

ALMOÇO
Arroz branco cozido
2 porções de 31 g (1 col. sopa)
Feijão preto cozido
1 porção de 59 g (1 concha peq.)
Tomate
1 porção de 109 g (1 unidade)
Couve manteiga refogada
1 porção de 88 g (1 prato fundo) - Equivalente a 4 colheres de sopa.
Filé de frango grelhado
1 porção de 125 g (1 unidade média)  

LANCHE DA TARDE
Banana prata (amassadinha com aveia) - Dá saciedade e é docinha, tirando a minha vontade por doce.
1 porção de 70 g (1 unidade)
Aveia em flocos "Quaker"
1 porção de 15 g (1 col. sopa)

JANTAR
Vitamina de leite desnatado com frutas (maçã e pera são ótimas) e 1 colher de aveia batida no liquidificador.

CEIA (Quase não faço pois a aveia me deixa bem saciada)
1 fruta pequena ou um iogurte natural

DICAS
*Sopinhas de legumes também são uma boa pedida para o jantar.
*Beber no mínimo 2 litros de água por dia.
*Praticar exercícios físicos.
*Dar preferência aos alimentos integrais (embora eu odeie arroz integral), e as carnes leves, como o frango.
*Evite frituras, doces e massas em geral.

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Sobre o câncer de Walter, em Breaking Bad

Bom, primeiramente não poderia deixar de mostrar a minha satisfação em ver uma das melhores séries da atualidade sendo transmitida em canal aberto. Conheci a série há alguns meses por uma indicação de um amigo que disse que eu me identificaria com Walter, o personagem principal da série. Walter, um homem que levava uma vida relativamente correta, casado, com um filho deficiente e esperando seu segundo bebê, descobre aos 50 anos um câncer de pulmão agressivo no estágio 3A. A partir daí, com medo de deixar a família passando necessidade por sua incapacidade em relação a doença, propõe a um ex aluno para ser seu sócio na produção de drogas e começa a utilizar a química básica para "cozinhar". Bom, não vou contar o resto pois convido a todos a assistir a série que passa na Record, de segunda a sexta a partir das 23:15.
Ontem, revendo a série peguei justamente o episódio em que a família de Walter tenta convencê-lo a começar o tratamento com a quimioterapia. A reação de Walter não me representa em nada! Bom, começando que ele não quis expor o seu problema, dando a liberdade das pessoas aumentarem a vontade a real situação da doença. Eu logo criei um blog pra expor meus sentimentos e excluir qualquer chance de boatos. Walter não gostaria de fazer a quimioterapia pois não queria "que sua cabeça rodasse várias vezes de tantas náuseas" ou "perder os cabelos" ou então "fazer um tratamento para viver apenas mais dois anos". O que Walter não pensou foi que quando ficamos doente, a família toda também fica. Eu me lembro do sofrimento dos meus parentes e nos choros (quase) escondidos de tristeza e preocupação comigo. Logo que olhei naquele papel de laboratório a palavra LINFOMA DE HODGKIN eu pensei: "Beleza, tenho algo que dá pra tratar, vou logo procurar atendimento" enquanto ele agiu de forma covarde e orgulhosa se negando a aceitar ajuda para custos do tratamento. Para mim, Walter não passa de um covarde, egoísta e suicida, pois não tem amor próprio para fazer o tratamento por ele. No dia seguinte a conversa com a família, ele decide se tratar, mas aí eu fiquei me perguntando: de que vale fazer o tratamento pelas outras pessoas? É claro que a quimioterapia será eficiente no combate à doença mas, onde fica o amor da pessoa? Onde fica a vontade de viver? De experimentar coisas novas? De ver o rostinho da filha que chega em alguns meses? Eu não passaria por tudo que eu passei se não tivesse vontade de viver por mim e ver o sorriso no rosto das pessoas que amo. Walter pra mim não é um herói. É apenas um homem-menino com medo de enfrentar os seus problemas.

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

6 meses de mudança


Acordei com as pernas inchadas nesse dia e com muitas náuseas. Estava de saco cheio em ver meus cabelos caindo no ralo e naquele dia decidi que ia colocar um ponto final nisso tudo. Sabia que seria uma das provas mais difíceis de coragem até o momento mas era triste e desesperador perder os cabelos. Separei um lenço, fui ao salão de beleza de minha amiga e sem muito a pensar coloquei a máquina zero na cabeça. No fundo matei a minha curiosidade de infância que sempre foi querer saber a sensação de ficar careca. Não me achei horrível mas também não me achei nenhuma miss. Eu me lembro que era engraçado sentir cócegas na careca na hora de dormir, e na minha teimosia em sempre passar shampoo onde não havia nenhum fio de cabelo! Hoje eu me divirto com isso. O corpo mudou, fiquei mais inchada e agora, aos poucos volto ao normal. Não me reconheço mais nas primeiras fotos nem nas fotos totalmente carecas. Estou mudando junto com as minhas fotos mas sempre me lembrando de todas. Ter ficado careca é uma dessas histórias que a gente vai levar pra vida e que os netos, um dia vão levar os amigos lá em casa para me ouvirem contar. Hoje meus cabelos estão lisos, ameaçando a cachear, mas até agora nada. Cuido mais deles agora do que antes com aquele cabelão. Passo shampoo, condicionador, umidificador, creme sem enxague e rola até umas massagens vez em quando. Estou feliz. Às vezes sonho que tenho o cabelão, mas no sonho eu fico surpresa por ele ter crescido tão rápido estando tão pequeno. Em momento nenhum fujo da minha realidade sonhando que nunca fiquei doente e que nunca fiquei careca. Acho melhor assim. Como diz minha amiga Adélia: "você é legal porque não tem cabelos, esse é o seu charme".