segunda-feira, 28 de outubro de 2013

A felicidade virou rotina.

É. Ainda tô anestesiada com tudo que aconteceu depois de quase uma semana ainda não caiu a ficha que a pior parte do pesadelo já passou. Agora estou no meu momento de fraqueza emocional. Não me poupo mais e estou ultrapassando todos os meus limites. Se eu tenho vontade de chorar, eu choro. Se a vontade é de gritar, eu grito o mais alto possível. Se é rir, eu não penso duas vezes. Acho que voltei aos 5 anos de idade e não tô nem ligando pros outros. Acho que pela primeira vez em toda a minha vida estou me importando de fato só comigo e com a minha felicidade. Eu mereço fazer o que eu quiser. Já provei que sou forte e que aguento firme. Nada mais justo que comemorar o fim da quimioterapia voltando ao lugar onde tudo começou. Pra quem não sabe, eu recebi o diagnóstico do linfoma chegando em Rio das Ostras, na praia. O mar me acalma. Pra mim, ele é a obra mais linda e perfeita da natureza. Achei importante voltar ao lugar, ver o mar e me recordar de tudo que passou. E mais importante ainda poder tomar um banho e agradecer por estar viva e saudável. Fui com algumas das amigas que seguraram a barra firme comigo durante todo o tratamento e que sempre se importaram comigo. Juliana, Raquel, Livia e Nicole. Quatro amigas que, acreditem ou não, riem muito comigo mas também vivem por aí chorando e sentindo tudo que eu sinto. O passeio foi ótimo, relaxante mas serviu pra me mostrar coisas que antes eu não conseguia enxergar muito bem. Eu ainda tenho um bloqueio em aceitar essa coisa das pessoas se importarem tanto comigo mas estou trabalhando nisso. Ontem, no nosso último dia de praia, sentamos pra conversar e compartilhar toda a experiência do câncer. Uma das coisas que mais me machucou foi ver o preconceito das pessoas com a menina sem cabelo. Dói muito ver alguém colocando a mão na boca pra se proteger de você. Que preconceito mais bobo, mais ridículo. Ainda bem que saio levando mais lembranças boas que ruins. Hoje, eu consigo acreditar em mim e sei exatamente do que sou capaz. Hoje, eu vivo um diazinho de cada vez e acordo de bom humor por estar viva. Eu almoço e fico toda satisfeita por ter comida na mesa, por não passar mal, por estar saudável. Infelizmente eu tive que passar por uma experiência de quase morte pra perceber o valor que as coisas simples tem. Eu tô gorda mas quer saber? Me olho no espelho e me sinto MARAVILHOSA! Meu cabelo tá estilosinho, tô com a pele boa, com uma aparência de saudável e feliz. Na verdade eu sempre estive feliz, mas agora a felicidade é diferente. Acho que consegui transformar a felicidade em rotina. Eu queria escrever de uma vez tudo que eu tô sentindo, mas não dá. Eu tô chorando sempre e sem parar de emoção e acabo me perdendo. Mas eu gosto de chorar. Dizem que meus olhos ficam bonitos molhados. Esse ano é ano de chorar de alegria. Sexta feira vai ser o dia mais importante até agora. O dia do exame que vai mostrar se eu fiquei curada mesmo. Tô otimista com o resultado e mesmo que o resultado não seja lá os melhores, tô pronta pra tudo. Hoje vejo que a minha vida tá valendo a pena!

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Quem acredita sempre alcança

Acabou. Tô imensamente feliz. Eu consegui. O desespero passou. Ontem foi um dia muito cansativo. Tive que mostrar o nódulo pro médico e fazer alguns exames pra ter certeza que não era câncer nem infecção antes de liberar a quimio. Fiquei muito cansada mas valeu a pena. 12 sessões. Foi demais. Mas eu consegui. Terminei a quimio e desci os 7 andares de escada pois queria que desse tempo de lembrar de todos os momentos que passei dentro do inca. Me lembrei da primeira vez que entrei, do primeiro contato com o médico, a biópsia da medula, a cirurgia do cateter, a primeira aplicação de quimio. Me lembrei de como eu me senti em todas essas situações e hoje percebo que ter superado tudo isso foi uma grande coisa. Uma grande coisa mesmo. Ainda não caiu a ficha totalmente. Ainda vou ficar por um bom tempo presa no instituto para exames e manutenção do cateter. A luta não termina aqui mas foi uma grande etapa concluída ontem.
Eu quero agradecer a você, que acompanha o blog, que sofre e se alegra junto comigo, que ora, que intercede, que faz pensamento positivo. Obrigada porque são nesses momentos que descobrimos quais as pessoas realmente querem o nosso bem e eu descobri um monte de gente assim.
A emoção é maior que a força pra escrever. Paro hoje por aqui. Continuarei escrevendo ao passo que for criando força. Quem acredita sempre alcança.

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

22 anos

16 de outubro. Acho bonito o som que sai da minha boca quando falo a data do meu aniversário. Pra mim, outubro o mês mais bonito do ano. É o mês das flores. Flores sempre são lindas e todo mundo gosta. Eu me lembro que quando eu era pequena, contava os dias ansiosa para a chegada do meu aniversário porque para mim, não existia dia mais especial no ano. Acho que até ano passado eu ainda era assim. Acordava feliz e totalmente satisfeita por ter chegado o tão desejado 16 de outubro. Esse ano alguma coisa mudou. Meu aniversário não é mais o dia mais especial do ano. Acho que agora todos os 365 dias do ano são dia 16 de outubro. Ano passado, eu nem imaginava que ia passar por isso tudo. As coisas mudam muito. A vida vai passando como uma correnteza forte e levando a gente com ela. O que podemos fazer é se agarrar em algum galho ou então deixar a correnteza te levar até te deixar em alguma terra firme. É o que eu tô fazendo. 22 anos. Sou muito novinha, todos dizem ao saberem que tenho câncer. Realmente sou muito nova. E isso é ótimo. Saber que o tempo está a meu favor e que eu posso usar todo esse tempo da forma que eu quiser me traz paz. Acho que esse ano não vou fazer nenhum pedido. Só agradecer por poder agradecer.

domingo, 13 de outubro de 2013

A quimioterapia

Você me maltrata, me machuca, me deixa enjoada, com a boca cheia de feridas, me fez engordar, tirou meus cachos, me fez vomitar e vem me visitar a cada 15 dias. Não consigo entender como você pode me fazer bem e não me matar. Mas de alguma forma, sei que estou viva hoje por você, então, esqueço tudo que você tem me feito de mal e libero até um sorriso meio amarelo quando falo seu nome. Você é laranja, custa caro, fica dentro de mim por quase 3 horas, já me fez chorar, já me fez pensar em desistir, já me fez sentir raiva mas hoje, eu já não quero sentir mais nada. Quero esquecer que um dia você foi importante na minha vida. Quero esquecer que um dia precisei de você e nunca mais quero olhar na sua cara. Estou me despedindo dos médicos, das visitas semanais ao hospital, dos incontáveis exames de sangue, do cheiro terrível do álcool e do câncer. Não foi um bom período mas foi importante pra mim. Os caminhos da vida também são feitos de espinhos e meus pés hoje saem sangrando disso tudo. Hoje eles são calejados, duros e firmes. Mas nada que uma bela massagem não resolva. Eu cresci, eu amadureci, eu entendi. Entendi a vida, a morte, a cura, a família, os amigos, os homens e a mim mesma. Aprendi que a vida passa e nós passamos juntos. A quimioterapia serviu pra me mostrar que mesmo coisas que achamos ruins pra gente, se mostram de uma bondade incrível capazes de nos darem a vida. É o seu jeito de me fazer carinho.

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Quimio 11

Ainda não tô acreditando que essa foi a penúltima sessão de quimio! Praticamente acabou! Eu já posso dizer que venci. Claro que tô sentindo os efeitos de ter tantos litros de drogas circulando no meu corpo, mas a minha felicidade é maior que qualquer náusea ou fraqueza. Eu tô feliz porque não perdi em momento nenhum a alegria de viver e a vontade de lutar. Câncer, só te digo uma coisa: SAMBEI DE SALTO 15 NA SUA CARA! Que venham os novos desafios. Esse não foi capaz de me derrubar. A todos os amigos queridos: muito obrigada por acompanharem a minha luta e torcerem por mim. Pode parecer bobeira mas não é. Isso me fortalece cada dia mais. Vamos que vamos porque a quimio 12 vai chegar e com ela vem também o começo de uma nova vida pra mim.